Internacionalização das empresas: comece por Portugal

A ABCasa Internacional, área da Associação voltada ao comércio exterior que assessora mais de 60 associados na exportação de produtos para diversos países, conta com a parceria do Grupo Ourinvest desde a sua criação. Com uma experiência de 40 anos de atuação no mercado brasileiro, o grupo mantém o compromisso de oferecer excelência em serviços e atendimento personalizado.

Atualmente, o principal foco do Ourinvest é o câmbio, abrangendo todas as operações, como Câmbio Pronto, Câmbio a Termo e Câmbio Turismo. A empresa também oferece outros serviços, como produtos de Hedge, NDF, Travas de Importação e Exportação, Swaps e Opções de Câmbio, além de assessoria em registros declaratórios, a exemplo de Registro de Operações Financeiras (RDE-ROF), Drawback e toda a área de Trade Finance, entre outros.

Negócios com Portugal

Em 2016, a promulgação da Lei nº 13.254, que dispõe sobre o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (RERCT) de recursos, bens ou direitos de origem lícita não declarados ou declarados incorretamente, remetidos, mantidos no exterior ou repatriados por residentes ou domiciliados no País, fez com que muitos brasileiros, insatisfeitos por razões diversas, como falta de segurança e alto custo de vida, decidissem se mudar em definitivo para outros países ou mesmo alterar sua residência fiscal, sendo Portugal um dos destinos preferidos.

A partir de então, o país europeu se tornou um mercado importante para o Banco Ourinvest. Naquele momento, os portugueses ainda se recuperavam de uma grave crise econômica que havia se iniciado em 2011. Por isso, a empresa apresentou algumas soluções para atrair o investimento estrangeiro, como o Golden Vida, que foi criado originalmente para chineses e, depois, aberto a outras nacionalidades.

O expressivo movimento de imigração e a dificuldade que muitos brasileiros tinham para enviar a ou receber recursos de Portugal motivou o Ourinvest a se tornar, em 2018, mantenedor da Câmara Portuguesa de São Paulo.

Entretanto, como o câmbio geralmente não fazia parte da rotina dos gerentes das agências bancárias, o Ourinvest iniciou uma forte atuação em Portugal, através de parcerias nos mais diversos nichos de mercado, inclusive com grandes bancos locais. Atualmente, a empresa possui uma mesa de câmbio dedicada ao atendimento de brasileiros que moram ou que pretendem se mudar para o país ibérico.

Ao longo do tempo, algumas empresas brasileiras passaram a apresentar projetos para se internacionalizar, levando seus produtos ou mesmo até a própria produção para Portugal. Uma das opções oferecidas no sentido de expandir esses negócios para a Europa é o Portugal 2020, programa desenvolvido em parceria com a União Europeia que já injetou mais de € 25 bilhões em projetos desenvolvidos no país, cujo governo federal financia até 80% das iniciativas, com juros baixos e pagamento facilitado.

Segundo Bruna Dayan, responsável pela Área de Câmbio do Banco Ourinvest, para se internacionalizar não basta apenas colocar o produto na mala e apresentá-lo em uma feira na Europa, nos EUA ou em qualquer outro mercado. “A empresa precisa estar pronta, muito bem organizada na questão documental, com balanços, faturamento, estudo do mercado aonde quer colocar seu produto, estudos de viabilidade, logística e de investimento, entre outros”, ressalta.

Importação e exportação

O dólar em alta é um grande atrativo para as exportações. No entanto, conhecer o importador, sua saúde financeira e, principalmente, em que momento encontra-se o seu mercado de atuação, é fundamental. Já para quem importa, além de as mesmas observações serem válidas, é relevante saber se a empresa reúne as condições necessárias para entregar no prazo definido.

Segundo o último relatório do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as importações caíram 15% e as exportações 5% no mês de abril em comparação com o mesmo período do ano passado. A retração no comparativo com 2019 foi ainda maior na primeira quinzena de maio (27% nas importações e 20% nas exportações).

Nesse cenário, a Organização Mundial do Comércio (OMC) estima que a corrente comercial no mundo possa ter uma queda de 13% a 30%. “As importações foram muito mais afetadas, mas as exportações também estão em uma situação complicada. Por isso, não adianta termos preço alto se não tivermos demanda para os produtos”, explica Bruna.

Produtos disponibilizados pelo Ourinvest para apoiar importadores e exportadores

O banco possui uma gama de produtos que podem auxiliar empresários brasileiros. Um deles é o Financiamento da Exportação, que pode ser contratado em partes ou como um pacote completo. Quando um exportador vai ao mercado em busca de clientes, ou seja, importadores, é fundamental que ele conheça os potenciais parceiros de negócio e quais são suas respectivas capacidades financeiras.

“Através de uma rede de mais de 400 bancos correspondentes, o Ourinvest faz uma análise da capacidade do importador, indicando, inclusive, se ele pode absorver mais da produção, tomando o risco do exportador através de uma cessão de crédito”, explica Bruna.

Outro produto é o ACE (Adiantamentos sobre Cambiais Entregues). Nesta opção, o banco pode adiantar o pagamento da exportação, mediante o embarque da mercadoria. “Normalmente, o exportador já tem o cálculo de sua margem de lucro. Então, durante a negociação, nós podemos travar o câmbio para garantir esta margem prevista, já que essa informação é muito importante”, salienta a responsável pela Área de Câmbio do Ourinvest.

O FINIMP (Financiamento à Importação), uma linha de financiamento à importação em moeda estrangeira, é mais um exemplo. Por meio dessa modalidade, o exportador recebe o pagamento à vista e o importador paga a prazo para o banco. “Com esse produto, podemos fazer a mesma análise do exportador lá fora. Porém, neste momento, temos analisado caso a caso, observando as demandas do mercado e do que está sendo importado, além de eventual necessidade de prorrogação de prazos e outros aspectos”, pondera Bruna.

Como se preparar para a retomada e como se internacionalizar

A internacionalização depende de vários fatores. Contudo, o momento que o mundo vivencia oferece uma grande oportunidade para os empresários buscarem diferentes mercados, estudarem seus modelos de negócio, verificarem o que vinha trazendo bons resultados e se terão espaço neste novo comércio. É crucial se livrar daquilo que não estava funcionando a contento e também estudar a fundo os itens que serão comercializados, prospectar novos clientes e preparar um estudo de viabilidade para a inserção do produto em realidades distintas daquela em que este já se consolidou.

“Percebemos que a distância não é um empecilho. Além disso, temos a capacidade de nos comunicar e trabalhar à distância e isso irá facilitar a tomada de decisão de uma empresa rumo à internacionalização. O Banco Ourinvest não é só câmbio: somos uma área internacional completa operando com mais de 90 países e, através de parceiros, auxiliamos o cliente com estudos de viabilidade antes de se tentar uma investida no escuro em algum mercado”, finaliza Bruna.

 


Entre em contato

shares
X